Borboletas e larvas




Um dia desses, eu estava olhando algumas coisas no meu armário, e encontrei um caderninho que há muito tempo não via naquela bagunça... Eu o comprei para escrever coisas aleatórias. Um pensamento, uma palavra nova aprendida em outro idioma... enfim, tem de tudo ali. Na primeira página, tem uma frase, que eu copiei do O Pequeno Príncipe.

É preciso suportar duas ou três larvas se quiser conhecer as borboletas

Quase que imediatamente, lembrei-me da famigerada frase do Mário Quintana:

O segredo é não correr atrás das borboletas... É cuidar do jardim para que elas venham até você.

E concluí...

Para conhecer as borboletas eu devo suportar as larvas.
Se eu cuidar do meu jardim e as larvas comerem todas as flores, ainda assim, com as flores destruídas, as borboletas vão chegar ou todo o meu cuidado terá sido em vão?

Aí você me responde:
- Claro que chegam! Larvas viram borboletas!

Sim, mas se as flores forem comidas, as borboletas vão-se embora para um jardim mais florido. E eu, que me empenhei, me estrepei com as larvas, vejo as borboletas voando em jardins mais floridos cujos donos não suportaram uma larvinha sequer.

2 comentários:

Nick disse...

Seu problema aqui é matemática. É preciso ter mais flores no jardim que as larvam podem comer. E, convenhamos, a maioria das larvas comem folhas, as flores ficam. E folha tem de sobra.

r. disse...

"O segredo é não correr atrás das borboletas... " :)