Quantas histórias?


Imagem gentilmente roubada do orkut da Layana
.
.
.
.
Passeando pelo Orkut da Layana, me deparei com essa imagem... Logo me lembrei do Caio, que trabalha comigo... Ele se auto-denomina ''K Maquinavelha''. Um dia perguntei:

- Por que Máquina velha?
- Ah... por que eu já não faço as coisas que eu fazia antigamente... pareço uma máquina velha!

Daí eu penso... será que ser uma Máquina Velha é tão ruim? Acho que não...

Olha só essa máquina de escrever... quantas e quantas histórias será que ela já escreveu? Histórias de amor, contos, cartas, desabafos, tentativas de poemas... Quantas digitais estão impressas nessas teclas? Quantas lágrimas já devem ter caído por entre elas? lágrimas de pessoas que escreveram cartas de despedida, de términos, de saudades, de felicidades, de boas e más notícias!

De alguma maneira ela me parece sorrir dizendo: ''Puxa... se você tivesse tempo para me ouvir, contaria letra por letra sobre o que eu já escrevi nos mais diversos tipos, cores e formatos de papel!''

Veja só:












A da esquerda, está quebrada, cheia de marcas, algumas teclas estão faltando.
À direita, uma daquelas muito bem conservadas, sem um arranhãozinho, com as teclas inteiras e a estrutura impecável.
Qual dessas duas parece ter sido mais feliz?

Na minha opinião, a da esquerda!
?Por que?


Oras! Vamos fingir que nós somos máquinas de escrever...

A máquina da esquerda, tem cara de quem tomou sol, chuva, de quem viajou para muitos lugares, relacionou-se com pessoas diferentes de pensamentos, opiniões e visões diferentes sobre todos os assuntos, o que a ajudou a formar o seu próprio modo de encarar as coisas da vida, modo esse, bem aberto, uma vez que ja ouviu e viu muitas coisas. As marcas, ferrugens e arranhões são souvenirs da vida, coisas que sempre que ela olhar, vai sorrir por lembrar cada segundo das aventuras.

A da direita...
Não tem cara de quem passou a vida dentro de um mesmo lugar? Bem provavelmente uma casa ou em escritório. Parece que só uma, ou no máximo, duas pessoas ousaram bater essas teclas para fazer sair um relatório, um contrato... tem cara de quem manja muito de leis... (fique claro que não estou fazendo alusão à profissão alguma!). Aquelas máquinas de estimação, na qual os filhos mal podem tocar... comer enquanto escreve? NEM PENSAR! Não conhece a rua, não conhece as estradas, os países, o mundo... Só sabe do lugar onde mora, "Rua dos Bobos, nº 0".
Não tem marcas, arranhões, ferrugem, a tinta que marcam as letras nas teclas ainda está visível, nem barulhenta ela é! Aquele ''tlin!'' de quando devemos bater a mão em cima para que volte a escrever ainda é estridente... é como se acabasse de chegar ao mundo... falta marca, experiência, história, rouquidão...


Que histórias você tem para contar?

4 comentários:

K maquinavelha disse...

oooowwwnn
que fóda!

usarei!

Layana Lossë disse...

IEEEEEIII que foda!

Adoro gente que viaja em altas teorias assim, só de olhar pruma imagem :)

muito boa tua filosofia... te digo ainda pq a maquina quebrada é mais feliz: ela mora na Ilha Grande, na praia de Dois Rios. Aquilo lá é um paraísoooooo!!!

beijo grande!

Layana Lossë disse...

(tá errado o link daqui "Passeando pelo Orkut da Layana")

=x

julie disse...

Kidaaaaa...
A-D-O-R-E-I esse texto! Mas não sei se a máquina da esquerda foi a mais feliz não...tenho minhas dúvidas! Prefiro acreditar que as duas foram super mega blaster felizes, cada uma a sua maneira! But that's just my opinion....just luv reading what you write...heheheh kisses